quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Pois é...


Pois é…

O céu é logo ali… infinito e suspenso.
As estrelas são faróis e os cometas…
São o frenesim envolto no consenso.
O céu é logo ali… e quanto mais penso.

Menos sei!

Logo eu, mirabolante parábola.
Contenda dos sentidos embriagados.
Suspensos no luar ou numa estrela cadente.

Oh diabos!

Escrever e poetizar… rimar e pensar…
Estranha ferramenta sem utilidade
Macula na minha vaidade
Vicio!... Ou dom sem perfume.

Pois é!...

O céu… o meu céu,
na planície doirada
brilha e ofusca sem pretensão além da conta.
Outras vezes chora, mas chora de alma lavada
porque ri e quando o faz: é resposta.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Beato Salu, Um quase Conto de Natal

A manhã esteve escura e gélida, como se querem algumas manhãs de dezembro. Ele ali está, finalmente! Há uns dias que não me cruzava com...