Avançar para o conteúdo principal

“escritores.online”


“escritores.online”

O nome da plataforma que tinha como objetivo, e digo tinha porque, desapareceu recentemente sem alarido dos motores de busca. A plataforma tinha como meta tornar-se na maior e a mais completa base de dados de escritores e poetas contemporâneos a escrever na língua mãe, a língua de Camões. Para espanto meu e de muitos outros, a mesma desapareceu da noite para o dia, sem grandes explicações ao público no geral e muito menos aos autores que forneceram os seus dados, permitindo assim a criação de dezenas de páginas individuais. Tudo se passou sorrateiramente, ao contrário daquilo que aconteceu em 2016, ano do seu lançamento para o espaço cibernético, em que a pompa e circunstância tomaram de assalto as redes sociais, contribuindo todos nós para o número astronómico de cliques no portal, num curtíssimo espaço de tempo.  
O espaço para além dos autores consagrados estava aberto a autores de menor relevo, como é o meu caso, e contou com o apoio da Associação Portuguesa de Escritores, da Sociedade Portuguesa de Autores, da Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas. Segundo se fez saber na altura, estas instituições pretendiam fazer chegar ao universo da língua portuguesa uma ferramenta livre dos habituais objetivos comerciais.  
Ora!... É aqui que a porca torce o rabo, fico eu a matutar. Lamentando por um tão breve tempo de vida de uma ferramenta idónea, reconhecida pelo atual Presidente da Republica, e, que, como muitas outras coisas que envolvem a cultura em Portugal, conforme aparecem assim se evaporam.
Portanto; meus amigos: está tudo dito num país de poetas e escritores!
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Desconhecido...

Não sei o que é isto!... Olhar no qual resisto. A voz que cala o peso dos passos ou a dor nas costas. Não sei o que é isto!... Olhar descrente sem querer desmente o riso dos lábios. Não sei o que é isto!... Isco mordaz um vil; tanto faz. Perfeita ilusão sem calos ou mão. Não sei o que é isto!... Ainda, assim, insisto nos olhos perfeitos. Nem sei que pensar!... Se é sonho adiado se é um caso tramado incuria perfeita de ser proxeneta nas trevas riscado.
Um gesto apagado do desconhecido. Sorriso torcista Malabarista Não sei o que é isto!

Só me resta gritar...

Não me peças silêncio nesta hora. Quando só resta o eco aos montes! As palavras são grinaldas de flores. E o silêncio atrofia.
Não me peças silêncio. Só me resta gritar, enquanto posso chorar.
O silêncio será senhor… Na terra coberta de cinza. Nas asas do vento voam gritos silenciados!… Não será a inercia… o mal? O eco pode ser medonho, mais cinza que a cinza. Mesmo, assim: Voará na voz dos vivos… Será dor, raiva ou impotência. Mas será a memória. Que os mortos deixaram antes de partir.


Ventania...

Pressinto no murmurar das árvores um choro, inaudível, parece rogar… Numa prece singela que lembram as dores. É quem sabe o prazer de ver o vento a passar.
Parecem gritar: olha o arco íris, as suas cores. As nuvens numa correria sem par. Olha o céu que testemunha os amores Do sol e da lua antes da noite chegar.
Pressinto no seu murmurar a solidão. E peço ao vento que seja ligeiro. Que te afaste de vez do meu coração.
Tal como o delas o meu choro é inteiro. Não tem medo do tempo em contramão. Nem da ventania se trouxer aguaceiro.