Avançar para o conteúdo principal
José Afonso e o Panteão Nacional.

Zeca, o meu e o vosso Zeca, o Zeca da fraternidade, das cantigas e das baladas, o Zeca humanista e futurista, o Zeca lutador. O Zeca da luta pela Liberdade e Igualdade e que nasceu num país pobre e subjugado por uma ditadura que governou os nossos destinos durante quarenta anos!...

O Zeca no Panteão Nacional sim ou, não?

Não, o nosso Zeca, o Zeca do povo não deve ir para o Panteão, não senhor.

Se o Zeca for para o Panteão terão que ir o Álvaro Cunhal, o Salgueiro Maia, Sá Carneiro, como propôs o PSD recentemente, e muitos outros que fazem parte da nossa história recente e, aí, sim. Teremos o Panteão de todos os portugueses.

Acham estranho e bizarro este meu raciocínio?

Eu também acho estranha e bizarra esta proposta vinda da SPA, e depois de assistir ao Vídeo no Site da associação em que Jorge Letria, um dos poucos civis que teve conhecimento prévio das manobras que levariam ao fim da ditadura Salazarista em 1974 e companheiro de Zeca no cante da Liberdade, Vídeo em que defende esta ideia, dando como explicação para tal proposta o facto de em 2019 se comemorar os noventa anos de nascimento de José Afonso e os 45 anos de liberdade em Portugal, ainda mais bizarra a acho. A não ser que, com esta proposta a SPA pretenda chamar a si o protagonismo há muito perdido, e o nome do Zeca seja a ponte para esse protagonismo, passageiro. Como é óbvio, depois da proposta mirabolante, a zoada em torno do assunto trouxe a SPA para as nossas bocas e a revolta contra tal ideia não se fez esperar.

Não que Zeca não tenha ganho por mérito próprio um lugar no Panteão Nacional, mas porque ele sempre foi contra o obscurantismo imposto por hobbies e certamente não se sentirá bem a residir perpetua mente num mausoléu inerte e frio.

O Zeca que cantou a “Grândola Vila Morena, o” Cantar Alentejano”, em que dizia. “ Chamava-se Catarina, Baleizão a viu morrer, ceifeiras na manhã fria flores na campa lhe vão pôr.” Ou o Zeca que cantou os “Vampiros” jamais se sentirá bem num local sem cheiro a terra e a povo.
Por essa razão e só por essa: Sou contra a ideia, o Zeca é das ruas, praças e avenidas deste país, é dos livros escolares e das nossas memórias, é do vento, dos trigais, de Coimbra e dos índios da meia praia.


Antónia Ruivo, 23/08/2018



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Só me resta gritar...

Não me peças silêncio nesta hora. Quando só resta o eco aos montes! As palavras são grinaldas de flores. E o silêncio atrofia.
Não me peças silêncio. Só me resta gritar, enquanto posso chorar.
O silêncio será senhor… Na terra coberta de cinza. Nas asas do vento voam gritos silenciados!… Não será a inercia… o mal? O eco pode ser medonho, mais cinza que a cinza. Mesmo, assim: Voará na voz dos vivos… Será dor, raiva ou impotência. Mas será a memória. Que os mortos deixaram antes de partir.


Ventania...

Pressinto no murmurar das árvores um choro, inaudível, parece rogar… Numa prece singela que lembram as dores. É quem sabe o prazer de ver o vento a passar.
Parecem gritar: olha o arco íris, as suas cores. As nuvens numa correria sem par. Olha o céu que testemunha os amores Do sol e da lua antes da noite chegar.
Pressinto no seu murmurar a solidão. E peço ao vento que seja ligeiro. Que te afaste de vez do meu coração.
Tal como o delas o meu choro é inteiro. Não tem medo do tempo em contramão. Nem da ventania se trouxer aguaceiro.

Desconhecido...

Não sei o que é isto!... Olhar no qual resisto. A voz que cala o peso dos passos ou a dor nas costas. Não sei o que é isto!... Olhar descrente sem querer desmente o riso dos lábios. Não sei o que é isto!... Isco mordaz um vil; tanto faz. Perfeita ilusão sem calos ou mão. Não sei o que é isto!... Ainda, assim, insisto nos olhos perfeitos. Nem sei que pensar!... Se é sonho adiado se é um caso tramado incuria perfeita de ser proxeneta nas trevas riscado.
Um gesto apagado do desconhecido. Sorriso torcista Malabarista Não sei o que é isto!